Home / Publicações / Meet the Law - Despacho n.º 10835/2020, de 4 de novembro...

Meet the Law - Despacho n.º 10835/2020, de 4 de novembro, do Diretor-Geral de Energia e Geologia

Despacho n.º 10835/2020, de 4 de novembro, do Diretor-Geral de Energia e Geologia

Curtailment

No dia 4 de novembro de 2020 foi publicado em Diário da República, 2.ª série, n.º 215, o Despacho n.º 10835/2020, de 4 de novembro, do Diretor-Geral de Energia e Geologia, sobre a redução de potência – vulgarmente designada por curtailment - da produção em regime especial que beneficie de um regime de remuneração garantida ou outro regime bonificado de apoio à remuneração, concretizando o disposto nas secções 3.6.14, 3.6.15 e 3.7.6 do Regulamento da Rede de Transporte (RRT) e na secção 4.4.8 do Regulamento da Rede de Distribuição (RRD).

O presente despacho é aplicável aos seguintes intervenientes do Sistema Elétrico Nacional (SEN): (i) Comercializador de Último Recurso (CUR); (ii) Gestor Técnico Global do Sistema (GTGS) e Operador da Rede de Transporte de Energia Elétrica (ORT); (iii) Operador da Rede Nacional de Distribuição de Energia Elétrica (ORD); (iv) produtor em regime especial que beneficie de um regime de remuneração garantida ou outro regime bonificado de apoio à remuneração (PRE-A) e cuja potência instalada do respetivo centro electroprodutor seja superior a 1 MW.

Em situações excecionais de exploração do SEN, nomeadamente, quando (i) se verifiquem congestionamentos ou (ii) quando estiver em causa a segurança no equilíbrio produção-consumo e a continuidade do abastecimento de energia elétrica, poderão ser enviadas ordens de redução de potência com o intuito de controlar a produção das instalações da PRE-A ligadas à Rede Nacional de Transporte ou à Rede Nacional de Distribuição, para que estas não excedam um determinado valor de potência.

A ordem de redução de potência é de cumprimento obrigatório pelos PRE-A, sob pena de aplicação das penalidades previstas em legislação específica, no Manual de Procedimentos da Gestão Global do Sistema (MPGGS) ou no Caderno de Encargos nos termos do artigo 5.º-B do Decreto-Lei n.º 172/2006, de 23 de agosto, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 76/2019, de 3 de junho, devendo especificar o início e fim do período de redução de potência e o valor de potência máxima a produzir pelo centro eletroprodutor.

Assim, sempre que esteja em causa a segurança no equilíbrio produção-consumo, não seja possível a mobilização de reservas de centros eletroprodutores em regime de remuneração geral que participem no mercado de serviços de sistema sem pôr em causa a segurança de abastecimento e já tenha sido solicitada a redução da produção dos centros electroprodutores em regime geral que não participem no mercado de serviços de sistema e estejam capacitados para o concretizar, o GTGS determina a redução da produção em instalações dos PRE-A, seguindo a seguinte ordem sucessiva de redução:

  •  A injeção da energia produzida pelos centros eletroprodutores que tenham sido adjudicados através de Procedimento concorrencial, nos termos do artigo 5.º-B do Decreto-Lei n.º 172/2006, de 23 de agosto, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 76/2019, de 3 de junho;
  • A injeção da energia adicional e do sobre equipamento ao abrigo do Decreto-Lei n.º 94/2014 de 24 de junho e a injeção da energia produzida por instalações de cogeração que beneficiem de prémio de mercado;
  • A injeção da energia produzida pelos centros eletroprodutores eólicos que resultaram do procedimento de concurso público das Fases A e B, desde que a redução seja efetuada durante o período de super vazio e até 50 horas de produção eólica equivalente à capacidade de receção em base anual;
  • A injeção da energia produzida pelos cogeradores habilitados ligados à RESP;
  • A injeção da energia produzida pelos centros eletroprodutores eólicos ligados à RESP, devendo a redução ser aplicada, preferencialmente, de forma rotativa pelas referidas instalações.

Por sua vez, sempre que se verifiquem congestionamentos pode ser determinado a redução da produção dos centros eletroprodutores dos PRE-A que tenham influência na resolução do congestionamento, sucessivamente, pela seguinte ordem:

  • A injeção da energia produzida pelos centros eletroprodutores que tenham sido adjudicados através de Procedimento concorrencial, nos termos do artigo 5.º-B do Decreto-Lei n.º 172/2006, de 23 de agosto, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 76/2019, de 3 de junho;
  • A energia produzida por instalações de cogeração que beneficiem de prémio de mercado e a injeção de energia adicional e do sobre equipamento ao abrigo do Decreto-Lei n.º 94/2014 de 24 de junho e que estejam associadas ao congestionamento;
  • A injeção da energia produzida pelos centros eletroprodutores eólicos que resultaram do procedimento do concurso público das Fases A e B, desde que a redução seja efetuada durante o período de super vazio e até 50 horas de produção eólica equivalente à capacidade de receção em base anual e que estejam associadas ao congestionamento;
  • A injeção da energia produzida pelos cogeradores habilitados associados ao congestionamento;
  • A injeção da energia produzida pelos PRE-A associados ao congestionamento, dando preferência na redução aos PRE-A que não sejam cogeradores.

Salvo o disposto no n.º 15 do Despacho e o estabelecido no MPGGS para o mercado de reserva de regulação, os centros eletroprodutores que sejam alvo de ordens de redução de potência não têm direito a qualquer tipo de compensação monetária, sendo que, em caso de incumprimento das ordens de redução de potência, para além das penalizações previstas no MPGGS, a injeção de energia elétrica pode ser interrompida pelo operador da RESP que emitiu a ordem de redução.

Os centros eletroprodutores identificados na alínea a) dos números 8 e 9 do Despacho que tenham sido sujeitos a uma ordem de redução de potência emitida pela GTGS e que sejam abrangidos pelo regime de remuneração garantida, o CUR repercutirá no centro eletroprodutor a obrigação de pagamento ou recebimento resultante da participação no mercado organizado e a que se encontra estabelecida no MPGGS. Para este efeito, o CUR deverá, de acordo com o estipulado no MPGGS, proceder à repartição por centro eletroprodutor da energia transacionada através do mercado organizado.

Por outro lado, os centros eletroprodutores identificados nos n.º 8, alíneas d) e e) e n.º 9, alíneas d) e e) do Despacho que tenham sido sujeitos a uma ordem de redução de potência têm o direito a receber o equivalente à produção estimada não realizada ajustada pelo rácio entre a produção total verificada e a produção total estimada dos centros eletroprodutores PRE-A, a suportar pelos produtores referidos no parágrafo seguinte.

Com exceção dos centros eletroprodutores identificados na alínea a) dos números 8 e 9 do Despacho, os PRE-A que não sejam alvo de ordens de redução de potência ficam sujeitos à obrigação de pagamento equivalente à diferença entre a produção realizada e a produção ajustada calculada conforme definido no n.º 3, alínea b) do Despacho, a qual reverte para os PRE-A referidos no parágrafo anterior.

O presente Despacho entra em vigor no prazo de 30 dias após a sua publicação, revogando o Despacho n.º 8810/2015, de 10 de agosto e pode ser consultado aqui.

Autores

Retrato de Mónica Carneiro Pacheco
Mónica Carneiro Pacheco
Sócia
Lisboa
Retrato de Bernardo Cunha Ferreira
Bernardo Cunha Ferreira
Associado Coordenador
Lisboa
Retrato de Manuel Cassiano Neves
Manuel Cassiano Neves
Associado Coordenador
Lisboa
Retrato de Duarte Lacerda
Duarte Lacerda
Associado
Lisboa
Retrato de Catarina Pinto Santos
Catarina Pinto Santos
Associada
Lisboa
Retrato de Manuel Branco
Manuel Branco
Estagiário
Lisboa
Mostrar mais Mostrar menos